Junho de 2013

Cultural Scripts

Conhecendo os cultural scripts - uma técnica simples e acessível de análise de dados. Quem quiser, linguista ou não, vai conseguir entender.

É incrível como uma pesquisa muda ao longo dos anos... Já li de tudo, mas agora estou descobrindo os Australianos... Neste exato momento estou apaixonada pelo Michael Haugh, Cliff Goddard e a polonesa Wierzbicka que trabalha na Austrália. Cada nova leitura é uma nova paixão e toda vez eu tenho a certeza absoluta de que encontrei O caminho que estava buscando.

É isso o que está acontecendo com os 'cultural scripts', depois que entendi o que são e como usá-los, passei a acreditar que a minha tese só vai ser possível se eu usar eles. Como são uma ferramenta teórica para análise de dados, muito do que já está escrito vai ter que mudar. Mas vai valer a pena.

O que eu entendi até agora vem do texto da Wierzbicka e também de um outro texto dela com o Goddard. Em primeiro lugar, é importante entender que 'cultural script' é um conceito que veio da Psicologia Social e é adotado por esses autores como um conceito pragmático. É uma espécie de descrição de um determinado comportamento feito através dos 'semantic primes', um número reduzido de palavras que seriam comuns a todas as línguas. Essas palavras são indefiníveis, o que quer dizer que não vamos encontrar outras para definí-las, mas somente elas mesmas... Confuso? Um pouco, mas vale uma conferida neste texto para ver a tabela e entender melhor o que são os 'semantic primes'. 

Não me interessa muito essa discussão de conceitos universais. Se os semantic primes são conceitos que podem ou não ser encontrados em todas as línguas... sei lá. Wierzbicka diz que sim. Pra mim, a questão é que os semantic primes são uma ferramenta simples e acessível de descrição das normas e ordem de uma determinada comunidade de fala. Através deles, pode-se esclarecer claramente o que funciona como uma contribuição aceitável e o que não.

São, segundo Goddard, "representações de normas culturais amplamente adotadas em uma dada sociedade, e são refeltidas na linguagem" (2009).

Um bom exemplo é dado por esse mesmo autor num texto da Intercultural Pragmatics que não encontrei online. (Chama-se 'Not taking yourself too seriously in Australian English: Semantic explications, cultural scripts, corpus evidence'):

Cultural script for a characteristically Australian social attitude

a. people think like this:

b. it is good if people can think like this about someone:

c. "this someone is someone like me".

Neste texto em especial Goddard tenta demonstrar como os Australianos dão importância à igualdade e, em consequência, como eles desaprovam qualquer posicionamento que demonstre  superioridade em relação ao próximo. É através desse script cultural que ele conclui que levar-se à sério demais é desaprovado pelos Australianos, considerando que esse posicionamento revelaria pensamentos como 'não sou como os outros, posso fazer coisas boas'.

O texto é lindo e riquíssimo, principalmente para quem quer ver os scripts culturais em ação. Recomendo.

Mas o que eu queria mesmo com esse post é mostrar a simplicidade dessa ferramenta. Essa forma óbvia e simples de descrever um comportamento é accessível a qualquer um. Acho que é uma forma de trazer a linguística pra vida real, pro dia-a-dia, pra pessoa que fica se perguntando por que que agiu daquela forma... 

Assim que eu conseguir usá-los com meus dados, publico aqui.